sexta-feira, 5 de junho de 2015

Amor


O amor, até há 'pouco' tempo atrás, era o trabalho do meu pai, eram as zangas com a minha mãe, eram as saudades e as parvoíces do meu irmão, era a javardice com os primos e as tardes na praia com a família. Agora é isso, mas muito mais também. O amor passou a ser o Jafar (foi um nome escolhido quase aleatoriamente, não queria um príncipe e adoro o Aladdin), passaram a ser Feiras Medievais, passou a ser desenhar sem jeito, a ouvir músicas aleatórias. O amor passou a ser algo maior, a não me importar de ficar em casa a estudar, porque sabia que tinha alguém lá a ver-me e ir buscar o que eu quisesse. Passou a ser aprender a gostar de outras coisas. E agora o amor é isso. E vai continuar a ser, não vou deixar que seja de outra maneira.

3 comentários:

  1. r: eu quando vi adorei :D
    estou tão mas tão a precisar... quase já conto os dias e ainda faltam dois meses!

    ResponderEliminar
  2. E o amor simples, nas coisas mais "aleatórias", é talvez o mais verdadeiro e com mais sentido nem que não tenha nexo!

    ResponderEliminar
  3. É sempre bom quando o amor cresce :)

    ResponderEliminar