segunda-feira, 20 de abril de 2015

Taizé


Há uma frase que, a meu ver, está profundamente ligada a este lugar: 'Deus quer, o Homem sonha, a obra nasce.' Porque foi mesmo assim que tudo cresceu. Foi assim que o Irmão Roger quis.


Quando, há quatro anos me perguntaram se queria ir a Taizé a minha resposta foi, sem pensar duas vezes, sim. Já tinha ouvido falar, mas acreditem que quando lá chegam não é nada do que vos disseram nem nada do que viram em fotos. É, mas não é. Um dia inteiro de camioneta custa um bocado, não é propriamente fácil dormir lá, mas aguenta-se e torna-se agradável quando alguém saca da guitarra e se começa a cantar. Provavelmente vão preparados para comer mal, dormir mal, rezar, ouvir os sinos, fazer amigos. E sim, é isso, mas de uma maneira incrível! Todos os dias temos três orações, antes do pequeno almoço, antes do almoço e a seguir ao jantar. Mas não, não pensem já 'que seca!'. As orações são cânticos, unicamente. No ínicio é estranho, óbvio, mas rapidamente interiorizamos e dá vontade de cantar aquilo o dia todo. O pequeno almoço é chá ou leite com chocolate e um pão com barras de chocolate e/ou manteiga. Acreditem, não há nada melhor que o chá de Taizé, ao pequeno almoço, ao lanche e depois de sair da oração da noite. As manhãs são ocupadas com uma reflexão em conjunto com as pessoas de cada idade e às vezes com uma apresentação de um país. Depois junta-mo-nos em grupos que são formados no primeiro dia e conversamos ou fazemos jogos. À tarde passamos mais tempo com o grupo, e o que fazemos durante a tarde vai desde estar em silêncio a refletir, a limpar casas de banho, a apanhar lixo, a fazer jogos, a tirar fotos,... A seguir a isso temos mais tempo livre e podemos usá-lo como quisermos, conhecer a vila, ir ao lago, ir para as camaratas, ir para a igreja, ir conviver com outras pessoas... A noite pode, depois de tudo isto, parecer-vos estranha. Num sítio tão 'calmo', a seguir à oração podemos optar por ir diretamente para as camaratas ou tendas (depende de onde ficarem a dormir), ir para o oyak, ou outra coisa que vos apeteça. O oyak é o bar onde à noite toda a gente se junta e canta-se, dança-se, diverti-mo-nos imenso! A igreja está sempre ao nosso dispor, o que é bom caso não estejamos com disposição para ver pessoas, o que também acontece muito lá. 
Chegas lá um domingo e até quarta estás a habituar-te ao que é aquilo, a partilhares o local onde dormes com mais sete pessoas, a partilhares a casa de banho com milhares de pessoas, a comeres só com uma colher e a falares inglês (mas acreditem que se não falarem inglês conseguem integrar-se na mesma!). A partir de quarta vem o lado 'chato', porque já começas a pensar que no domingo vais embora. É a partir daí que vais ver pessoas que nunca imaginaste a chorar. E é a partir daí que vais também ganhar coragem e sentir necessidade de ir à igreja à noite antes de ires dormir. Nāo me arrependi disso. São sempre dos melhores momentos que lá passo sozinha. Na sexta, no fim da oração da noite é-nos dada a oportunidade de ir à cruz e ficar lá durante algum tempo. Sábado à noite é a oração das velas, é super aconchegante e talvez a que nos deixa mais em baixo (não no mau sentido). Depois começam as despedidas. No domingo é só abraços, trocas de mails, e muitas lágrimas à mistura. Faltam 24 horas para voltarmos à nossa cidade, uma noite no autocarro e muitas lembranças no coração.
É uma experiência incrível, desde o convívio ao conseguir 'encontrar-me'. A verdade é que vamos para lá um bocado perdidos, sem saber para o que vamos, e voltamos em paz connosco e em harmonia com os outros. Depois, é o sentido de acolhimento que lá se vive, que esconde as saudades que possamos sentir de casa.
Há três anos foi a minha segunda vez lá, e quero mais.



3 comentários:

  1. epá, eu não sou nada nada nada ligada à religião (nem tenho a primeira comunhão porque me recusava a ir!) mas leio sempre os posts que falam de taizé até ao fim e apetece-me sempre irrrr!

    r: ahh, eu também :p

    ResponderEliminar
  2. ai meu deus! fiquei apaixonada e ainda nem fuii!!

    ResponderEliminar
  3. e depois de lá ir, fiquei com certeza que tudo o que disseste é verdade!

    ResponderEliminar